FORÇAS 🔥 FUERZAS

FORÇAS

Há uma força que não vem de mim
Mas que mora em mim e me arrasta
Há um pensamento que me envolve
Qual atmosfera de martelo na bigorna
Há uma chama negra que se acende
Cada dia, cheia de dor e gemidos

Há uma porta vestida de branco
Que se abre ante mim quando amanhece
Mas que eu nunca consigo passar
Porque uma onda de tristeza tira de mim
Até nadar à ilha da ignorância

Há uma tempestade insuportável
Com trovões que atingem minha memória
E que me chamam a cada momento
No ouvido surdo de uma mulher

Levou-me em seu ventre, amamentou-me,
Ela me deu seu carinho e sua existência
E quando minha alma começou a voar
Minhas asas não aguentaram o peso
Das lembranças tingidas de nostalgia

E cada tarde, volto a casa para chorar
Acompanhando de solidão uma dama
Quem suspira para não esquecer sua pena

Hoje um médico veio visitá-la
Falou com ela, tocou sua testa e adormeceu-a
Logo, ele colocou a sua mão no meu ombro
E ao olhar-me, uma luz se acendeu em mim
De repente, percebi minhas asas leves
E extasiado, voei de regresso ao meu lar

FUERZAS

Hay una fuerza que no viene de mí
pero que vive en mí y me arrastra
Hay un pensamiento que me envuelve
cual atmósfera de martillo en yunque
Hay una llama negra que se enciende
cada día, llena de dolor y gemidos

Hay una puerta vestida de blanco
que se abre ante mí cuando amanece
pero que no logro atravesar nunca
porque una ola de tristeza tira de mí
hasta nadar a la isla de la ignorancia

Hay una tormenta insoportable
con truenos que golpean mi memoria
y que me llaman a cada instante
en el oído sordo de una mujer

Me llevó en su vientre, me amamantó,
me regaló su afecto y su existencia
y cuando mi alma comenzó a volar
mis alas no podían soportar el peso
de unos recuerdos teñidos de nostalgia

Y cada tarde, vuelvo a casa para llorar
acompañando de soledad a una dama
que suspira para no olvidar su pena

Hoy ha venido un médico a visitarla
le habló, tocó su frente y ella se durmió
Luego, puso su mano en mi hombro
y al mirarme, una luz se encendió en mí
De pronto, noté mis alas ligeras
Y extasiado, volé de regreso a mi hogar

2020 © José Manuel Fernández
 

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *